Herrera, as 10 coisas que odeio em ti

Bianca Stratford é bonita e popular, mas não pode namorar antes de sua irmã mais velha. O problema é que nenhum garoto consegue chegar perto da irmã, Kat Stratford. Para resolver a situação, um rapaz interessado em Bianca suborna um amigo com passado misterioso para sair com Kat e, quem sabe, tentar conquistá-la. Em 1999 estreava o filme para adolescentes mais lamechas de toda a história com a presença do actor australiano Heath Ledger. A 22 de Janeiro de 2008, terminava apenas aos 28 anos a vida deste talentoso actor que apesar da sua vida curta ainda teve uma carreira bastante elogiada, entrando em filmes como “O Patriota”, “Coração de Cavaleiro”, “Monster Ball – Depois Do Ódio” ou “Casanova” e deixando a sua marca com os seus papéis icónicos em “O Segredo de Brokeback Mountain” e “O Cavaleiro Das Trevas”, este último distinguido com um Óscar póstumo.

gettyimages-9465995081_770x433_acf_cropped-1
Fonte: Observador

Sim, foi disto que me lembrei depois do final deste jogo épico. Foi apenas isto que consegui. Não deu para mais. Básico, despropositado e até um bocado larilas. E porquê? Acho que o título é auto-explicativo mas eu reforço a ideia. Neste filme de “domingo à tarde”, às tantas há uma gaja que gosta de um gajo (o tal falecido) mas ainda assim cria uma lista de 10 coisas que odeia nele. Gajas! Depois do jogo de ontem eu sou essa gaja. O gajo, …., bem esse gajo é o Herrera. Para ti Hector aqui vai o meu poema:

 

Eu odeio que sejas orelhudo

e esse jeito corcunda de andar
Eu odeio quando não dás tudo
e que me obrigues a rimar
Eu odeio que sejas diferente
e que acuses a pressão
odeio que faças o Oliver suplente
odeio que sejas o capitão
Odeio quando chutas para canto

Mas acima de tudo odeio-te por não te odiar e por seres um espanto

Obrigado HH! Serei eternamente agradecido.

Deixo-vos com o milho do mexicano para mais tarde recordar:

 

#nosvamosganhar

Falta de jeito

 

 

 

Anúncios

Pataniscada velha!

Ora viva,

Como não tenho nada a dizer do que aconteceu no mundo do futebol nesta semana, deixo-vos com uma receita de pataniscas de bacalhau.

pataniscas

Ingredientes:

600 g bacalhau
4 ovos
50 g farinha
1 cebola(s)
1 ramo salsa
óleo para fritar
q.b. sal
q.b. Pimenta

Preparação:

1. Depois de demolhado, coza o bacalhau. 
2. De seguida escorra-o e lasque-o retirando também todas as peles e espinhas. 
3. Faça o polme juntando os ovos com a farinha até obter um creme. Se achar necessário pode acrescentar um pouco da água onde cozeu o bacalhau. 
4. Pique a cebola finamente, bem como a salsa, e junte no polme acrescentando também o bacalhau. 
5. Por fim tempere a seu gosto e frite colheradas do preparado em óleo bem quente. 
6. Não se esqueça de deixar escorrer em papel absorvente para evitar o óleo em demasia.

Gostava também de vos informar quais são os nomes das tempestades que abalaram o nosso país este ano e quais os nomes das que estão para vir. Assim, por ordem alfabética:

Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Felix, Gisele,

  • Hugo,
  • Irene,
  • Jose,
  • Katia,
  • Leo,
  • Marina,
  • Nuno,
  • Olivia,
  • Pierre,
  • Rosa,
  • Samuel,
  • Telma,
  • Vasco e
  • Wiam.

(…) Continuar a ler Pataniscada velha!

Liverpool, Rio Ave e Estoril. Next: Portimão!

Ora viva,

Três jogos (dois e meio) aconteceram desde a última vez que aqui escrevemos. E que montanha russa tem sido. Da extrema desilusão, passando por uma desforra agradável até ao jogo em mostramos calibre de campeão. Comecemos pelo primeiro, Liverpool.

O resultado diz tudo. O pior resultado de sempre em casa para as competições europeias não pode ser nunca razoável nem há desculpas que possam amenizar tal facto. A estratégia correu mal, o jogo correu mal. E sobretudo houve pela primeira vez esta época um “baixar de braços” que me surpreendeu muito ou não fosse esta equipa treinada por um ataque cardíaco com pernas. Acho que os jogadores interiorizaram demais o desejo de não sofrer golos em casa e quando sofreram, não souberam reagir de forma mais tranquila.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar a ler Liverpool, Rio Ave e Estoril. Next: Portimão!

Calham sempre a mim os maus resultados

Ora viva,

É oficial. A equipa está esgotada. Ao longo destes meses várias vezes me perguntava quando seria o dia em que a equipa ia rebentar. Parece que chegamos a essa fase. Mesmo com uma boa actuação no mercado para aquilo que se esperava, a equipa mostrou em Moreira que tem muitos problemas de longo prazo para resolver neste aspecto. Mas vamos ao jogo.

download-1-1500x999

Perante um Moreirense perfeitamente confortável a jogar 90 minutos atrás do meio campo, o Porto tinha necessariamente de fazer um jogo agressivo e bater várias vezes com a cabeça na parede até que uma qualquer bola entrasse. Continuar a ler Calham sempre a mim os maus resultados

Zero zero.

Ora viva,

Antes uns dias do clássico começar, sentia uma apatia estranha em relação ao jogo comparado com o que via à minha volta. Não sei bem se era a minha atitude pessimista, se era desdém de ver toda a nação portista falar deste jogo há meses como se não houvesse nada antes nem nada depois. Acho que já tinha enjoado esta conversa do clássico muito antes dele começar. Terá sido isso. Mas eu quero acreditar que foi o universo a dar-me uma pista: não vejas esse jogo! E mais valia não ter visto. Que bela merda foi a experiência de o ter visto.

transferir
Fonte: Sapo Desporto

Continuar a ler Zero zero.

Descontando os descontos, foi fraquinho!

Ora viva,

Mais uma eliminatória da Taça de Portugal, mais uma vitória. FcPorto segue em frente. O fim de semana futebolístico podia resumir-se a isto. Mas, na verdade, há muito mais para contar. Em primeiro lugar íamos finalmente ter o prazer de ver o nosso número 10 jogar de início. Desde que o nosso treinador resolveu retirar o nosso artista de campo ao intervalo no jogo do besiktas, não mais tivemos a oportunidade de o ver a ser o nosso maestro como só ele sabe e pode ser. O jornal ojogo adiantou em primeira mão que ele estava a ser preparado para os próximos desafios. Como se um mágico, simples e trabalhador, que nunca arranja conflitos, que vibra quer esteja em campo quer esteja fora, que faz o jogo fluir só de se movimentar pelo relvado precisasse de um tempo arrumado aprender o que quer que fosse. A outra grande novidade foi o regresso de Casillas, que se espera tenha regressado de vez à titularidade. Mais uma treta de gestão ou seja lá o que for que finalmente se esbatia.

1024
Fonte: MaisFutebol

Continuar a ler Descontando os descontos, foi fraquinho!

José Sá dá-te asas? Não! Redbull 3-2 FcPorto

Ora viva,

A análise do jogo de terça feira do Porto pode-se dividir em duas grandes questões. A primeira é o jogo jogado em si e a outra é o señor Iker Casillas. Já passaram alguns dias e entretanto já houve uma conferência de imprensa ao estilo de Sérgio Conceição, mas a verdade é que a questão que mais preocupa é mesmo a do guarda redes espanhol. Mas já lá vamos.

img_818x4552017_10_12_23_13_44_676261
Fonte: Correio da Manhã

Sérgio Conceição conseguiu ter a proeza de me enervar desde o minuto 0 pelas opções que tomou. A minha postura normalmente é de tolerância. Quanto muitos criticam já o trabalho de um qualquer treinador, eu normalmente ainda estou na fase de negação e tento sempre justificar e tomar as dores do treinador. Mas neste jogo eu não gostei de ver o nosso treinador armado em génio da bola. É sabido que temos um plantel curto. É sabido que temos uma série de jogadores de rendimento constantemente baixo, vulgo mancos. E não é que o Serjão resolve coloca-los todos em campo ao mesmo tempo? Marega já fez jogos bons. Layun cumpriu em alvalade, Sérgio oliveira esteve discreto e eficaz no Mónaco. Herrera conseguiu esconder alguns dos seus pontos fracos. Mas quando jogam todos juntos num jogo difícil isto torna-se numa bomba relógio pronta a explodir. No banco estavam Corona, Oliver e Ricardo. Calhou, ou se calhar não foi coincidência, que o clube acabou por fazer um jogo absolutamente horrível. A juntar a isso, os timings e decisões das substituições foram completamente falhados. Marcar dois golos foi até um golpe de sorte e algo injusto pois o que se assistiu neste jogo foi um banho de bola por parte do adversário. Mais uma vez a estratégia falhou, parecendo que não se conhecia muito bem como o adversário jogava. Danilo fez o seu pior jogo pelo Porto e nem o facto do elevado jogo interior do Leipzig o levou a aparecer em jogo. As contas estão complicadas agora que vimos todos o que este Leipzig pode fazer no resto da prova e sendo previsível que o Mónaco consiga recuperar a boa forma. Mas da forma como as coisas estão se calhar uma das equipas poder-se-á apurar com 7 ou 8 pontos.

A surpresa na baliza foi o outro ponto forte neste jogo. O nosso treinador resolve fazer uma jogada de poder, de mostrar quem manda numa altura em que tudo são rosas no balneário do Porto, ou eram. Não está em questão a qualidade dos guarda redes. Nesta fase da carreira, Casillas não se destaca dos outros guarda redes ao nível técnico. Mas é um líder dentro e fora de campo, respeitado e que cada vez respira Porto, sentindo-se a alegria que tem em estar cá. Pelo menos é isso que parece visto de fora. Entretanto Conceição veio explicar que foi uma decisão técnica por 2 motivos. O primeiro é ridículo. Ah e tal, estudamos o adversário e ele era o indicado para este jogo. Algum dia alguém troca o guarda-redes para um jogo tendo em conta o adversário? Isso não faz sentido nenhum. Ah e tal escolhemos o Sá por causa da semana de trabalho. Aquilo que se possa ter ganho por colocar um jogador que se esforçou mais esta semana nos treinos, perdeu-se na liderança em campo. Faltaram os gritos habituais de “FUERA! FUERA!!” e a verdade é que a equipa se atrapalhou bastante na defesa. Mas o pior de tudo nesta decisão é que foi uma atitude sem necessidade nenhuma e que só pode prejudicar a equipa. Rebaixar um símbolo mundial como o Casillas que não parece mostrar nenhuma atitude de vedetismo só pode prejudicar o grupo que via ali um pilar. Mesmo que agora durante alguns jogos a aposta seja Sá, este vai estar sob enorme pressão para cumprir as expectativas. Assistimos, por isso, a uma tentativa corajosa de tentar ser génio. Mas já se sabe que o limiar entre a coragem e a estupidez é muito ténue. Veremos como a equipa reage a este tiro no pé.

Até lá,

Falta de Jeito